Bravas mulheres do Programa Bolsa Família

Bravas mulheres do Programa Bolsa Família A maior parte das políticas públicas do Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome tem no sexo feminino o foco de suas ações, por considerar que elas tomam a melhor decisão em benefício do grupo famíliar. O Programa Bolsa Família é um exemplo

Brasília, 4 – A mulher é o ponto central das políticas públicas do Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS). A maioria delas tem no sexo feminino o foco de suas ações, por considerar que elas tomam a melhor decisão em benefício do grupo famíliar. O Programa Bolsa Família, por exemplo, prioriza a mulher como responsável por receber o benefício. Isso significa colocar quase R$ 1,2 bilhão por mês em mãos femininas. São elas que recebem os valores transferidos pelo programa: 93% das 12,9 milhões de famílias atendidas.


A transferência de renda e as oportunidades que surgem, especialmente nas áreas de assistência social e inclusão produtiva, com a inserção no Bolsa Família estão transformando a vida de milhões de mulheres em vários cantos do Brasil. No Dia Internacional da Mulher, comemorado em 8 de março, o MDS presta uma homenagem a essas mulheres guerreiras que convivem e superam todo tipo de dificuldades com o relato de seis mulheres do município de Boa Vista, capital de Roraima. Elas vão representar as beneficiárias das políticas sociais de todo País e também aquelas que trabalham com os programas para que a parcela pobre da população brasileira tenha um futuro diferente.

O benefício do Bolsa Família pode significar a oportunidade de entrar na faculdade ou passar em um concurso público. Esse é o caso de Ednamar da Silva dos Santos, que aplicava uma parte do recurso recebido no sustento da filha e, com a outra, pagava cursinho para vestibular e concurso de agente administrativo da Prefeitura de Boa Vista. Trabalhava como empregada doméstica e foi aprovada em ambos, quando devolveu o Bolsa Família. Ela considera o benefício do MDS o ponto de partida para as suas conquistas. Ednamar já ganha gratificação por mérito na secretaria municipal que faz a gestão do programa que contribuiu para o seu progresso. “Depois da compra do carro, meu sonho é construir uma casa melhor”, avisa, apostando no futuro. Ela tem dois filhos e cursa Pedagogia.

Mais conforto – Em outros casos, a transferência de renda representa o fim da fome, a manutenção dos filhos na escola e o árduo trabalho com mais conforto. Esta situação é vivida por Geovane Ribeiro dos Santos, que aplica a maior parte do benefício na compra de alimentos, uniforme e material escolar. A beneficiária, que não é alfabetizada, conseguiu adquirir uma máquina de lavar roupa e substituiu as cansativas e diárias lavagens no tanque, que ocupavam todos os seus dias, além de provocar alergia em suas mãos. O valor do Bolsa Família e o que arrecada por dois clientes constantes que levam roupas de 15 em 15 dias, a R$ 2 a peça, é praticamente toda a renda de que a família dispõe. O marido não tem ocupação fixa. Já trabalhou com carteira assinada há muitos anos, mas encontra dificuldades para voltar ao mercado formal.

A moradora de Boa Vista se emociona ao contar como foi inserida nos programas de transferência de renda do MDS. “O pessoal da secretaria chegou aqui e disse que os meus filhos não poderiam continuar vendendo pão nas ruas. Que eles não podiam trabalhar e precisavam estudar”. Dessa forma, os filhos de Geovane foram incluídos no Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (Peti), da Secretaria Nacional de Assistência Social do MDS, integrado depois ao Bolsa Família. Embora ainda lute com dificuldades, ela diz que a vida de sua família melhorou muito com o Bolsa Família. “Depois que entrei no programa, nunca mais a gente passou fome”, afirma.

Mais renda – O trabalho como doméstica impedia Neide Simão de acompanhar o desenvolvimento dos oito filhos, que ficavam na rua em área violenta correndo riscos. Ao tomar conhecimento da queda no rendimento escolar, mesmo com o marido desempregado, a beneficiária preferiu apostar em uma atividade que pudesse conciliar com a vida domiciliar. À época, fez 12 panos de prato e, quando o marido André saiu para procurar trabalho, tentou, sem sucesso, vendê-los. A experiência negativa não desanimou o casal e, no dia seguinte, o processo foi repetido, desta vez com sucesso. “Como havia prometido quando saiu de casa, ele vendeu todos e ainda trouxe encomenda”, conta Neide.

A situação começou a melhorar quando uma técnica da prefeitura visitou a família e a cadastrou, em 2002, para que eles passassem a receber a transferência de renda. Foi incluída no Bolsa Família em 2004. O marido também conseguiu um emprego no Governo de Roraima, fazendo serviços gerais e ganhando um salário mínimo. Com essa renda, o casal tinha que alimentar dez pessoas.
O valor do benefício possibilitou que Neide passasse a investir no artesanato. Comprou revistas, fez cursos na associação de mulheres e também recebeu dicas de quem comprava suas peças. “Com os R$ 60 que recebia do Bolsa Família, R$ 30 eram destinados à compra de alimentos e a outra parte para aquisição de material de artesanato”, lembra.

Quatro dos filhos já não moram mais com a mãe, mas trabalham com ela nas peças de artesanato que fazem sucesso em Boa Vista. Com o curso de informática, as filhas criaram uma marca e estão começando a divulgação via internet. No entanto, ainda encontram dificuldade no escoamento da produção. O casamento de uma das filhas foi todo produzido pelas mãos habilidosas e criativas da família, desde o vestido da noiva até os enfeites da igreja. O progresso ainda não foi suficiente para que os Simão deixem o programa. “O Bolsa Família é meu porto seguro, ainda”, reforça Neide. Com o dinheiro do benefício, ela pagou cursos de informática e passagens para todos os filhos. Tatiane Simão, uma das filhas, foi mais além: Já fez cursos de relações interpessoais e técnicas de vendas.

Mais qualificação – Maria Juzeuda Souza Nascimento prioriza a alimentação e os cuidados com os nove filhos. Também comprou uma moto que a leva para vários lugares de Boa Vista. Está sempre pronta para ajudar os outros e, por isso, decidiu, há cinco anos, voltar a estudar. Terminou o ensino médio e, atualmente, cursa o ensino superior em uma escola privada. Optou por fazer Serviço Social. “O contato com o Centro de Referência de Assistência Social (Cras) e as assistentes sociais despertaram a minha vontade de fazer este curso”, explica, ao ser questionada sobre sua opção na faculdade.

Além do trabalho como zeladora em uma escola, Juselda passa roupa e faz faxina nos finais de semana e luta para evitar que o marido tenha uma recaída. Dependente químico, ele deixou a bebida e a droga há oitos meses. Aos 38 anos, a beneficiária acredita que terá um futuro melhor com o ensino superior. “Vou atrás de um lugar para trabalhar e ganhar um pouco mais”. Sua preocupação é dar mais conforto aos filhos. “Amanhã ou depois, esse Bolsa Família vai servir para outra pessoa”. A família é composta por 11 pessoas, três filhos de Juselda e mais seis do marido.

Mais estudos – A vida de Patrícia Pereira da Silva é mais fácil. Ela também trabalha como zeladora com carteira assinada e ganha um salário mínimo. Mora em uma chácara cedida com o marido e cinco dos seis filhos, todos homens. Mesmo residindo na área rural, ela incentiva os filhos a estudarem. “Fiz a inscrição em um cursinho de surpresa para o Lidione, de 18 anos, e o comuniquei no dia do aniversário dele”, contou a beneficiária do Bolsa Família. Estudioso, o filho não só frequentou o cursinho assiduamente como passou na seleção e cursa o segundo ano na Escola Agrotécnica Federal de Roraima.

No natal de 2010, o presente foi outro: “Guardei, todo mês, R$ 50 do Bolsa Família e o mesmo valor do meu trabalho, e comprei um computador pra ele estudar”, comemora a mãe orgulhosa. Além do computador, Patrícia também comprou duas bicicletas para facilitar o transporte da família. Os recursos do programa são usados em alimentação e especialmente nos estudos dos filhos que, com exceção do mais velho, de 22 anos, estão na escola.

Mais sapatos – A gestora municipal do Programa Bolsa Família, Iraci Oliveira da Cunha, titular da Secretaria Municipal de Gestão Participativa e Cidadania, também integra o grupo de mulheres batalhadoras de Boa Vista. Ela também venceu muitas dificuldades e, para estudar, fazia serviços domésticos em casas de família, porque os pais moravam no interior e eram pobres. “A gente teria tido mais facilidade se o Bolsa Família existisse à época”, observa. Ela conta que as irmãs – são sete – usavam o mesmo sapato para ir à escola, pela manhã uma usava e à tarde o mesmo par calçava os pés de outra.

Iraci Oliveira destaca as condicionalidades do programa, especialmente na área de educação. “O que o programa tem de mais bonito é a oportunidade para o futuro, com a exigência de que a criança esteja na escola”. A gestora credita ao empenho da equipe a exemplar gestão municipal do Programa Bolsa Família, que é compartilhada entre o Governo Federal, estados e municípios.

As histórias de Boa Vista personificam as mudanças ocorridas na vida de cerca de 50 milhões de pessoas, população atendida apenas pelo Bolsa Família. Entre as mulheres esse efeito é maior. Com o dinheiro, elas passaram a ter maior inserção social e poder de compra. Também aumentaram sua participação no mercado de trabalho, o dobro em relação aos homens. Descobriram espaços em novas profissões. Com o Bolsa Família e o Próximo Passo – qualificação profissional realizada em parceria com o Ministério do Trabalho – as mulheres se tornaram pedreiras, pintoras de parede e conquistaram os empresários do ramo pela delicadeza e atenção nos acabamentos da construção civil.

Outro destaque é a lista de profissões antigamente relegadas aos homens, na área de petróleo e gás. Com reforço escolar no ensino fundamental e médio, elas abrem caminho também nesse setor ao passar nas provas de seleção da Petrobrás em estranhas ocupações, como caldeireira e instrumentista montadora. As mulheres, mesmo as mais pobres, estão começando a acreditar que podem fazer tudo, até ser presidenta da República.

Roseli Garcia
(61) 3433-1106
Ascom/MDS
www.mds.gov.br/saladeimprensa

Fonte: MDS

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

URGENTE! PUBLICADO A SENTENÇA ARBITRAL DO DISSÍDIO COLETIVO DA CATEGORIA!

Legislação Participativa debate direito à assistência social e financiamento do setor

PREFEITO ANUNCIA PRORROGAÇÃO DA ANUALIDADE E OUTRAS MEDIDAS EM REUNIÃO COM O FAS