Sindrome de Down: uma historia de vida combatendo o preconceito


Combatendo o preconceito :(Leila Cordeiro- Rede Brasil Atual) Finalmente, depois de décadas o ser humano está acordando para as mudanças de mentalidade no mundo. Criado em berços preconceituosos sob vários aspectos, o homem sempre procurou seus iguais, desprezando os diferentes. Mas hoje, diferente é quem não aceita o outro lado da moeda seja em pensamentos, idéias, cor da pele, orientação sexual e até mesmo das doenças genéticas que estigmatizavam seus portadores, alijando-os de qualquer oportunidade de vencer seus próprios limites.
E nesse quesito aparece o problema da Síndrome de Down que é explicada cientificamente como  um distúrbio genético causado por um cromossoma a mais  no DNA do portador.
Lembro-me bem que,  ao engravidar do meu segundo filho, aos 35 anos, fiz um exame chamado aminiocentese, no qual o especialista pode detectar, através de uma punção na barriga da mãe  chegando até o líquido aminiótico, se o bebê possui essa síndrome. Esse preocedimento é feito aos três meses  de gestação e é aconselhável, segundo me disseram os médicos,  para mães depois dos trinta anos para lhes dar a opção de continuar ou não com a gravidez caso seja detectada alguma anomalia genética no bebê.
Talvez você esteja querendo me perguntar se eu teria coragem de negar à vida a uma criança com problemas . Não, eu não teria essa coragem, apesar de saber o que poderia me esperar dali pra frente.Felizmente tive um filho saudável, pelo qual fiz alguns sacrifícios normais de toda mãe, mas incomparável à dedicação dessa mulher que inspirou meu artigo.
A história se passa em Joinville, Santa Catarina. Gina Fruit, então com 23 anos, esperava feliz sua primeira filhinha. Já sabia o nome bem antes dela nascer, Ana Carolina, que Gina havia escolhido em meio a várias opções. A gravidez foi normal e tudo parecia muito natural até Ana Carolina vir ao mundo.
Com a filhinha nos braços, Gina recebeu a notícia de que a criança era portadora da síndrome de down e que dali para a frente ela teria uma missão difícil a cumprir. Mas Gina, não se abalou. O importante era ter dado vida a alguém e principalmente a um bebê que precisaria muito mais dela do que qualquer outro. E Gina foi à luta, acreditando acima de tudo no amor e na dedicação maternal que fluía dela de maneira incontrolável.
Depois de muitas conversas com médicos especialistas, Gina e o marido resolveram optar pela luta ferrenha contra a síndrome que normalmente está associada a algumas dificuldades da fala, habilidade motora  e desenvolvimento físico. Gina, professora de educação física,  dedicou-se a fazer exercícios diários com a filha. Dos 6 aos 9 anos, Ana Carolina era obrigada por ela a  uma programação bem intensa de movimentos. Rastejava, engatinhava, corria. Tinha estímulo dos cinco sentidos.E ainda por cima aprendia a dançar e a nadar. Sempre sob orientação médica.
Além disso, Gina brigou para conseguir colocar a filha em escolas comuns e em casa a ajudava com as lições, complementando o ensino escolar. Ela conta que, muitas vezes, era cansativo e desgastante. Às vezes, as duas sofriam, choravam juntas, mas depois com o resultado positivo a cada dia, o sacrifício tornava-se gratificante. Gina jamais pensou em desistir.
E ela estava certa. Hoje, aos 29 anos, a jovem tem pós-graduação, que completou no ano passado, trabalha numa multinacional e conquistou a independência financeira.
Apaixonada por crianças, Ana Carolina (foto) formou-se  em pedagogia e depois se especializou em educação infantil. Na empresa em que trabalha, Ana Carolina já passou por várias áreas e agora está no setor comercial. A dicção é perfeita,  assim como as palavras e idéias. Para os médicos, a evolução física e intelectual de Ana Carolina jamais poderia ter acontecido sem a dedicação dos pais, com os quais mora até hoje por amor a eles, pois segundo a orgulhosa Gina, a filha ganha mais do que muito pai de família e está pronta para viver uma vida independente.
Numa época em que já se viu e soube de tantos conflitos, revoltas e desamor além dos absurdos de mães que jogam  seus bebês saudáveis em licheiras ou em rios, abandonando-os à própria sorte, Gina brilha como uma luz no fim do túnel, como um exemplo de combate ao preconceito em nome do amor, da esperança, da certeza de conseguir a superação de um obstáculo que parecia impossível.
Gina, desafiou as leis da própria genética que deve estar se curvando à coragem e determinação dessa mãe que por amor e total desprendimento pode dizer que realmente deu a vida a Ana Carolina.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

URGENTE! PUBLICADO A SENTENÇA ARBITRAL DO DISSÍDIO COLETIVO DA CATEGORIA!

Legislação Participativa debate direito à assistência social e financiamento do setor

PREFEITO ANUNCIA PRORROGAÇÃO DA ANUALIDADE E OUTRAS MEDIDAS EM REUNIÃO COM O FAS